Warcraft: Games buscam sua redenção nos cinemas!


Qualquer um que goste de games e viveu mais de trinta primaveras, provavelmente já teve alguma experiência decepcionante quando decidiu assistir, depois de torturantes meses de expectativas, é claro, à adaptação de um dos seus jogos favoritos para o cinema. Eu sei, eu sei... é uma sensação terrível. O mesmo acontece com adaptações de livros, peças teatrais ou qualquer esperada transposição de mídia dessa natureza. 

Em primeiro lugar: não confunda as coisas!
Não há transposição de mídia nesses casos. Apenas adaptações são possíveis, pois se tratam de linguagens e estruturas totalmente diferentes que tentam contar uma mesma história. Na melhor das hipóteses. Ainda existem os casos de produtores gananciosos que apenas se aproveitam do sucesso de determinada franquia e lançam adaptações que nada - ou quase nada - tem a ver com suas referências originais. Há muito a ser dito sobre esse processo, mas como não é esse o meu foco aqui, vamos torcer para que dessa vez a gente saia do cinema com aquela expressão de "Pooorra, que foda, cara!" e não "É... foi legalzinho...". 

Sim, já existiram algumas adaptações legais, como Silent Hill, Resident Evil, Tomb Rider, Hitman e mais alguns, contudo, nenhum grande filme.

Com Warcraft creio que haja subterfúgios suficientes para a realização de um filme acima dessa média, embora acredite que para isso seja necessário um roteiro que não busque reproduzir fielmente as sagas do jogo e consiga, em vez disso, se apropriar das melhores sequencias, construindo uma estrutura narrativa que sustente as espetaculares cenas de ação que poderemos ver no trailer e que todos os fãs esperam.
 

Eu fiquei impressionado, e você? Até mais!

Obs.: Quero muito ver a performance de Travis Fimmel, aquele que faz o papel de Ragnar Lothbrok, na série Vikings, do History Chanel.

CONVERSATION

0 comentários:

Postar um comentário